Bem-Vindo(a) ao Tales of Winterfall
Registre-se para ter acesso a todos os fóruns do RPG e poder interagir com os players. Usuários também podem criar fichas e iniciar seu personagem na história.
Login Registrar-se

Foto

Humanos, os exploradores.



  • Por favor, inicie sesión para responder

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

#1
Fuera de línea
em Sab Jul 30, 2016 3:27 pm


avatar




Humanos, os exploradores.

Com sua inesgotável energia, determinação e ambição, os humanos reinam absolutos em Arton. Variantes em tudo que é possível, eles abraçam todas as devoções, bandeiras e causas — podem tornar-se os mais virtuosos heróis, ou os mais cruéis vilões..
Os humanos foram criados por Valkaria, a Deusa da Ambição. Ao longo dos milênios, erigiram reinos, descobriram as artes mágicas e até se devotaram a outros deuses que não sua própria padroeira. Nada é estranho ou extremo demais para os humanos.
Embora sejam numerosos e dominantes no mundo, humanos não têm as características mais marcantes das outras raças. Não são fortes como os minotauros, resistentes como os anões ou ágeis como os elfos. Perto de algumas raças, suas vidas são curtas. Talvez sejam exatamente essas “deficiências” que motivem os humanos a buscar mais, a superar limites.
Claro, nem sempre essa ambição é benigna ou positiva: humanos são vistos por alguns como verdadeiras pragas, nuvens de gafanhotos que conquistam e devastam tudo por onde pisam. Expandem territórios e fazem guerra com frequência perturbadora. Muitos já tentaram desafiar o incansável avanço humano, mas até agora todos falharam. Resta aos outros povos fugir, ou se adaptar a eles.

Personalidade: Os humanos apresentam todo tipo de personalidade — do mais tímido e introspectivo ao mais gregário e expansivo. Nenhuma divindade, carreira ou objetivo é estranho ou absurdo demais; para um, conforto e felicidade para sua família é tudo que basta, enquanto outro sonha conquistar o coração de uma princesa, e outro treina para derrotar em combate o próprio Deus da Guerra!
Não há absolutamente nada que todos os humanos queiram ou rejeitem. Não há preferência ou aversão que todos eles tenham. Membros de outras raças não entendem como os humanos conseguem ser tão diferentes e imprevisíveis.
Talvez o único traço comum a quase todos os humanos seja sua ambição. O descontentamento eterno, a incapacidade de aceitar as coisas como são. Humanos sempre querem mudar o mundo, ou a si mesmos, para melhor (sendo que esse “melhor” depende
das convicções de cada um). Quando acreditam que alguma coisa é certa ou errada, são capazes de tudo para provar sua verdade — muitas guerras foram travadas entre povos humanos simplesmente porque um lado acreditava em algo, e o outro não.

Aparência: Sob um ponto de vista racial, a aparência humana é intrigante em sua variação. Podem ser quase tão altos quanto minotauros ou quase tão baixos quanto anões, magros como elfos ou gordos como porcos. A pele pode ser muito pálida ou quase negra,
com olhos e cabelos nas mais diversas cores, tamanhos e texturas.
Para outras raças, reconhecer um humano nem sempre é fácil. Embora sejam capazes de amar artes e ciências, humanos são práticos acima de tudo. Seus trajes e equipamentos são funcionais e (pelo menos comparados ao artesanato anão ou élfico) pouco estéticos. Uma mesma pessoa pode usar peças de origens variadas, sem qualquer relação ou harmonia.
Além disso, humanos são geralmente impressionáveis e abertos ao novo, bebendo de outras culturas com sofreguidão. Diante de algo belo, querem fazer igual — ou melhor. Estão sempre copiando arte, ciência e magia de outros povos, produzindo suas próprias versões. Assim, por sua variedade infinita de estilo (ou pela total ausência de um), pode ser difícil identificar algo feito por humanos.

Relações: Humanos podem ser preconceituosos e intolerantes — mas, como povo, em geral são abertos a diferenças. Em WinterFall, convivem bem com quase todas as raças; membros de outros povos são aceitos em suas cidades para ganhar a vida como puderem.
No passado, em Lamnor, os humanos tentaram fazer amizade com os elfos; foi a arrogante recusa élfica que os condenou, pois aliados poderiam ter ajudado contra os goblinoides. Arrependidos, os elfos hoje fazem parte da sociedade humana, resultando no nascimento de muitos meio-elfos.
Humanos têm boas relações comerciais com anões e halflings. Também usam força de trabalho goblin e qareen. Mas, após as Guerras Táuricas, vários reinos de maioria humana foram forçados a aceitar minotauros como governadores, prefeitos ou xerifes — tornando a presença da raça indesejada, mesmo que em segredo.
Os lefou também são problemáticos. Sabe-se que estão ligados à Tormenta, e por isso são temidos. Um humano bondoso pode, ocasionalmente, acolher um meio-aberrante em necessidade.
Mas o povo de uma aldeia é bem capaz de expulsar (ou linchar!) qualquer lefou incapaz de se proteger. Povos mais longevos e consistentes, como anões de elfos, acham os humanos indignos de confiança. Eles não seguem as mesmas tradições, não juram lealdade à mesma bandeira, não se devotam ao mesmo deus. Enfim, não pensam ou agem da mesma forma — então é impossível saber como pensam.

Tendência: Não há tendência típica para humanos. Por sua extrema variação de comportamento, eles podem seguir todo e qualquer caminho. No entanto, aqueles que vivem em sociedade tendem a ser Neutros.

Terras dos Humanos: WinterFall é povoado principalmente por humanos. Mesmo a recente ocupação táurica tem sido muito mais política que populacional — afinal, não há minotauros suficientes para repovoar o Reinado inteiro. Assim, muitos cargos de comando
foram ocupados pelos minotauros, mas as populações humanas vivem mais ou menos como antes.
Da gigantesca metrópole de Valkaria ao menor vilarejo ou aldeia, há comunidades humanas de todos os tipos e tamanhos. A maioria se forma à volta de um castelo, palácio ou templo central, onde vivem os membros da nobreza ou clero — neste mundo de forte influência divina, é normal que cidades humanas sejam governadas pela igreja. Bairros comerciais amontoam-se junto às muralhas dessa estrutura central, enquanto áreas rurais ficam a um
ou dois dias de viagem.
Em Lamnor, o continente sul, poucos humanos sobreviveram à Aliança Negra, que dizimou os esplendorosos reinos de antigamente. Alguns vivem em grupos errantes, quase como bárbaros, evitando as patrulhas goblinoides. Outros formam pequenas comunidades oprimidas, forçadas a oferecer tributos e sacrifícios aos monstros. Uma das poucas comunidades organizadas que se tem notícia são os Rangers de Villithien, na costa oeste de Lamnor.

Religião: Valkaria, a Deusa da Ambição, é a padroeira da raça. No entanto, humanos são o único povo capaz de venerar toda e qualquer divindade possível; sejam nobres, bondosos, violentos ou cruéis, todos os deuses têm devotos humanos em algum lugar.

Idioma Humanos falam o valkar, língua padrão do Reinado, também conhecida como o “idioma comum”. Essa língua se espalhou tanto pelo continente que muitos povos bárbaros — e até monstros — a conhecem bem.
Embora o valkar seja mais amplamente utilizado, ainda é possível encontrar regiões onde se preserva o lalkar — uma língua humana mais arcaica, usada em cerimônias reais e documentos oficiais. Pouquíssimas pessoas fora da nobreza são versadas no antigo idioma. Em Khalifor, entretanto, a língua ainda é ensinada juntamente com o valkar em uma tentativa de preservar a diferenciação entre o povo da cidade e os habitantes do norte.
Vários sábios condenam o uso do valkar em larga escala, acreditando que esta atitude acarreta em um progressivo “empobrecimento da língua natal de WinterFall”. Entre estes figura Talude, que incluiu o lalkar como disciplina obrigatória em sua Academia Arcana. Já a ordem de Tanna-Toh, a Deusa do Conhecimento, aceita plenamente o valkar como idioma padrão.

Aventuras: A ambição humana leva este povo, mais que qualquer outro, a desafiar limites, buscar o impossível e lutar pelo que acredita. Muitos vivem aventuras em busca de fama e fortuna.
Outros, em defesa de suas crenças pessoais. As motivações dos humanos para explorar masmorras e caçar monstros podem variar tanto quanto eles próprios.
Quanto a classes, desnecessário dizer, todas são favoritas. A versatilidade humana permite que se tornem exímios em qualquer caminho ao qual se dedicam, e sua persistência quando decidem ser melhores não tem rival. Mesmo com vidas tão curtas, os aventureiros de nível mais elevado em Arton são invariavelmente humanos.

Traços Raciais:• +4 em uma habilidades à escolha do jogador.

Ver perfil do usuário

Mensagem [Página 1 de 1]