Bem-Vindo(a) ao Tales of Winterfall
Registre-se para ter acesso a todos os fóruns do RPG e poder interagir com os players. Usuários também podem criar fichas e iniciar seu personagem na história.
Login Registrar-se

Foto

HobGoblins, os pistoleiros.



  • Por favor, inicie sesión para responder

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

#1
Fuera de línea
em Sab Jul 30, 2016 3:05 pm


avatar



Hobgoblins, os pistoleiros.

Primos maiores dos goblins, hobgoblins são muito mais agressivos. De fato, por serem altos e orgulhosos, hobgoblins de certa forma lembram elfos — mas uma versão maligna e distorcida da raça. Em vez de amar a natureza, a liberdade e a arte, hobgoblins devotam seus esforças a forjar metais e fazer guerra.
Diferentes dos assassinos bugbears e dos covardes goblins, hobgoblins são disciplinados e militaristas. Como um todo, a raça lembra um imenso exército. Não há hobgoblin que não seja guerreiro — todos têm um papel a cumprir na máquina de guerra.
Por seu senso de disciplina, hobgoblins são os mais unidos e organizados entre os goblinoides. Em vez de formar muitas pequenas tribos, tendem a reunir-se em grandes acampamentos ou exércitos — todos os bandos de uma região trabalham em conjunto,
obedecendo a uma hierarquia de comando que termina em um general.
Esse líder militar não é escolhido pela força ou habilidade de combate, como ocorre em outras raças monstruosas. Inteligência, tática e estratégia são as qualidades mais esperadas do comandante.
Também existem tribos lideradas por dinastias (que podem ser derrubadas, quando uma geração não apresenta um líder qualificado). Contudo, em Lamnor, atualmente os hobgoblins estão sob comando do general Th wor Ironfi st, atuando como as tropas principais da Aliança Negra.
A sociedade hobgoblin é organizada em castas: há militares, religiosos, artesãos e escravos, em ordem de importância. O conceito de família não existe; crianças hobgoblins são criadas coletivamente por membros da casta religiosa. Durante o crescimento são alocados a uma casta, de acordo com as necessidades da tribo.
Hobgoblins podem disputar a liderança — mas, uma vez que esta seja definida, seguem ordens superiores sem questionar.

Personalidade: Hobgoblins são belicosos por natureza. Acreditam que o valor do indivíduo está em sua utilidade no exército. Também são disciplinados e organizados, acostumados a seguir hierarquias rígidas.
Hobgoblins vivem para a conquista militar. Ao contrário de outras raças guerreiras, consideram a morte em batalha um sinal de fraqueza, em vez de glória — para eles, vitória é a única opção honrada.
Não que possam ser considerados uma raça “honrada”. Hobgoblins aproveitam qualquer vantagem, exploram qualquer fraqueza, não pensam duas vezes antes de atacar o oponente em seu ponto mais vulnerável. Preferem emboscadas a combates abertos, ataques à distância a combate corporal, muitos contra poucos. Atuam bem em equipe, não por lealdade ou companheirismo, mas por ser vantajoso. Buscam vencer a qualquer preço.
Não existe para eles o conceito de “luta justa” — existe apenas a guerra, e na guerra vale tudo. Em sua ânsia por vencer sempre, o hobgoblin consegue até ignorar ódios ancestrais e adotar as táticas do inimigo — nisso, são parecidos com os humanos. Após conquistar e saquear a cidade dos elfos, um grande número de hobgoblins vem aprendendo a lançar magia arcana — uma arte outrora odiada, por ser “coisa de elfo”.
Hobgoblins amam pólvora. Alegam, inclusive, que foi inventada por eles. Basta pensar dois minutos para aceitar essa teoria como sendo muito plausível.

Aparência: Hobgoblins são mais altos que humanos, atingindo em média 1,90m. Seus corpos são cobertos de pelagem curta, que varia do marrom avermelhado ao cinza escuro. Os rostos têm traços bestiais, com focinhos, presas e olhos amarelados. Há pouca diferenciação externa entre os sexos.
O vestuário hobgoblin envolve cores avermelhadas ou escuras. Muitos trazem tatuagens ou cicatrizes, menos por razões estéticas e mais como prova de resistência à dor. Usar o cabelo
trançado com ossos de inimigos mortos também faz parte de sua “moda”.
Hobgoblins são muito habilidosos na forja de armaduras, não sendo raro encontrá-los esquipados com peças obra-prima.

Relações: Hobgoblins consideram todos os outros povos seus inimigos. Trabalham juntos apenas com outros goblinoides, por acreditar que eles são inferiores e que liderá-los é seu papel natural.
Hobgoblins sabem ser cautelosos com a força dos minotauros e a metalurgia dos anões, sempre tentando encontrar formas de superá-los. Mas, acima de todas as coisas, hobgoblins odeiam elfos — aqueles que quase os dizimaram no passado distante, quando eram humanoides primitivos. O desejo de vingança permaneceu fervendo no sangue de cada hobgoblin vivente, forçando seu avanço, levando-os a dominar as artes da guerra. Ainda hoje, caçam elfos sobreviventes nas florestas de Lamnor.

Tendência: Por sua agressividade e senso de hierarquia, hobgoblins são quase sempre Leais e Malignos. Aqueles que por alguma razão desviam-se dessa tendência não encontram lugar na rígida sociedade da raça, acabando banidos ou autoexilados.

Terras dos Hobgoblins: Como os humanos, hobgoblins podem fixar moradia em quase qualquer ambiente — mas preferem planícies e outros lugares abertos. Ali constroem campos fortificados, protegidos por fossos, portões, torres e armas de cerco.
Derrubando árvores para queimar nas forjas, comunidades hobgoblins rapidamente esgotam os recursos naturais da região.
Isso leva-os a viajar — o que quase sempre leva a conflitos com outros povos. Guerrear por novos territórios é parte da cultura hobgoblin.
Em Lamnor, vastos acampamentos hobgoblins dominam a maior parte do continente. Seu maior triunfo é Rarnaakk, a Cidade do Terror, antiga capital do reino élfico de Lenórienn
conquistada por Th wor Ironfi st e a Aliança Negra. No Reinado, não existem em número suficiente para ocupar mais que alguns acampamentos fortificados ou aldeias bem vigiadas...

Religião: Hobgoblins não são especialmente espiritualizados, mas consideram a própria guerra uma atividade religiosa. Para eles, fraqueza é um pecado mortal, e uma arma que se quebra em batalha é o pior dos agouros.
Hurllaagh, uma divindade guerreira e cruel, é o Deus Menor dos Hobgoblins. Mas, por influência da Aliança Negra e do xamã Gaardalok, a maior parte da raça cultua Ragnar, o Deus da Morte.
Por razões óbvias, Keenn também é popular entre eles. Kallyadranoch também figura entre seus favoritos.

Idioma Hobgoblins falam o idioma goblin, em um dialeto próprio. Por viverem em sociedade e seguirem hierarquia rígida, sua versão desta linguagem é mais complexa, fazendo uso de palavras que as outras raças goblinoides não conhecem e de que não precisam.

Aventuras: Hobgoblins não costumam se tornar aventureiros. Quando podem escolher, preferem grandes exércitos a pequenos grupos. Também preferem atuar com seus iguais, em vez de confiar em táticas que não conhecem. E são, acima de tudo, guerreiros.
Mas hobgoblins são adaptáveis. Estão sempre em busca da arma mais poderosa, da armadura mais resistente, do estilo de combate mais eficaz. Diante de algo novo, como magia arcana ou artes marciais, primeiro tentam superar esse poder com suas próprias táticas; e se não conseguem, tentam aprendê-lo.
Hobgoblins preferem lutar à distância. Para isso adotam arcos e bestas, constroem balestras, e — para o horror de seus adversários — usam armas de pólvora. Seu poder de destruição
é tão sedutor para os hobgoblins que muitos se tornam pistoleiros ou granadeiros.

Traços Raciais:• +4 Constituição, +2 Destreza, –2 Carisma. Hobgoblins são fortes, resistentes e ágeis, mas também rudes e agressivos.
• +4 em testes de Furtividade e Ofício (metalurgia). Hobgoblins são silenciosos e também habilidosos com metais.

Ver perfil do usuário

Mensagem [Página 1 de 1]