Bem-Vindo(a) ao Tales of Winterfall
Registre-se para ter acesso a todos os fóruns do RPG e poder interagir com os players. Usuários também podem criar fichas e iniciar seu personagem na história.
Login Registrar-se

Foto

Elfos, o orgulho de Glórienn.



  • Por favor, inicie sesión para responder

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

#1
Fuera de línea
em Qui Jul 14, 2016 9:40 am


avatar



Elfos, o orgulho de Glórienn.

Esta raça antiga e mágica foi uma das primeiras criadas pelos deuses. São graciosos e sagazes, mas também excessivamente orgulhosos — sempre acreditaram ser melhores que os outros povos, nunca aceitando alianças. Essa arrogância custou-lhes caro quando sua nação foi arrasada por seus inimigos, os goblinoides.
Os elfos são talvez a mais antiga raça humanoide e, por isso, pouco se conhece sobre sua origem. Ao contrário dos humanos e outros povos, dizem que os elfos foram criados por Glórienn nos Reinos dos Deuses, e apenas mais tarde vieram para Arton em embarcações mágicas enormes, de casco verde e velas douradas, depositadas no oceano pelas próprias mãos da deusa.
Outro mito da criação élfica diz que eles descendem da raça ancestral dos eiradaan, quando estes vieram de outros Planos e acasalaram com os nativos de Arton, resultando nos elfos que conhecemos hoje.
Após singrar o Oceano Oeste os elfos aportaram na costa oeste de Lamnor, a ilha-continente sul. Ali, na floresta que chamaram de Myrvallar (“Paz na Alma”), erigiram a mais bela das cidades, que mais tarde se tornaria o mais belo dos reinos: Lenórienn.
Mas as terras élficas abrigavam uma raça nativa de goblinoides brutais e primitivos. Descontentes com essas inconvenientes criaturas, os elfos iniciaram um expurgo. Incapazes de fazer frente às flechas e magias élficas, as “bestas” foram caçadas até sua quase extinção. Os poucos sobreviventes, cheios de ódio, fugiram.
Também havia humanos em Lamnor, vivendo em terras mais distantes. Tentavam fazer amizade com os elfos, enviando emissários ao longo de séculos, tentando fazer pactos, estabelecer acordos comerciais. Mas o regente élfico Khinlanas recusava qualquer aliança, qualquer contato — elfos são perfeitos e não precisam de ninguém, pensava. Um dia, fartos da arrogância e xenofobia élficas, os humanos desistiram. Assinaram o Tratado de Lamnor, que impedia qualquer interferência humana nos assuntos élficos e vice-versa — fosse para o bem, fosse para o mal.
Séculos haviam passado. Os goblinoides expulsos pelos elfos retornaram, ainda cheios de rancor, mas agora diferentes. Imploraram à sua divindade Hurlaagg por um meio de vingança, e foram atendidos. Não eram mais primitivos. Forjavam bom aço, boas armas e armaduras. Construíam engenhos e máquinas de guerra. Eram agora hobgoblins — raça brutal e militarista, os mais avançados entre os goblinoides.
Surpresos, os elfos foram cerceados. Incapazes de expulsar este “novo” inimigo, recolheram-se à proteção de Lenórienn, sob cerco. Começava a Infinita Guerra. Foram séculos e séculos de resistência, as tropas e máquinas hobgoblins tentando derrubar as defesas élficas.
Os lados estavam equilibrados. Então, um dia, um membro da furtiva raça bugbear invadiu Lenórienn sem ser notado. Raptou ninguém menos que a princesa dos elfos, então ofereceu-a como tributo aos hobgoblins. Sua intenção era reunir as três grandes raças goblinoides — goblins, hobgoblins, bugbears — sob a bandeira da Aliança Negra, em um exército invencível.
Incapaz de resistir, e sem ajuda dos humanos, a raça élfica caiu. Os que não fugiram foram dizimados. A cabeça de Khinlanas foi suspensa no centro da antiga cidade, como símbolo da vitória hobgoblin. Conquistada, Lenórienn foi rebatizada Rarnaakk.
A maior parte dos elfos sobreviventes fugiu para o norte, para Arton. Aqueles que tentaram alertar o Reinado sobre a Aliança Negra não foram levados a sério — um bugbear estúpido no comando de um exército?!
Forçados a engolir o antigo orgulho, os elfos passariam a viver entre os humanos e outras raças que outrora julgaram “inferiores”. Não bastasse essa humilhação, sofreram um novo e ainda mais duro golpe: Glórienn, sua deusa criadora, foi destituída de sua posição como divindade maior do Panteão. Molestada e acossada pelos Lordes da Tormenta, a deusa teve que fugir do próprio Reino, aceitando a proteção e segurança oferecidas por Tauron, o Deus da Força. E se tornar, assim, sua escrava.
Isso devastou ainda mais os elfos restantes. Sem pátria. Sem deusa. Abandonados, magoados, ressentidos além do que parecia possível. Alguns passaram a venerar outros deuses — até mesmo Tauron, em gratidão. Outros oferecem servidão ou escravidão a quem possa protegê-los. E os mais ousados (ou loucos?) erguem-se contra a adversidade, lutando para proteger e salvar a raça élfica.

Personalidade: Os elfos têm todas as razões para viver em constante amargura e ressentimento. Por sua longevidade, quase todos trazem a destruição de Lenórienn fresca na memória — pior ainda, lembram-se da vida que tinham antes disso. Para eles a perda ainda é recente e dolorosa, é difícil falar no assunto sem evocar forte emoção, então preferem não dizer nada.
Cada elfo lida com a perda a seu modo. Muitos preservam o antigo orgulho e senso de superioridade, tornando-se amargos e intratáveis. Outros se enchem de atitude positiva, não medindo esforços para serem gentis e aceitos na cultura em que vivem. Outros ainda continuam tentando ser elfos. Fazem o máximo para preservar sua cultura, seu modo de vida. Acreditam que o tempo fecha até as piores feridas, e os elfos têm tempo. Confiam que, um dia, tudo será como antes. Têm esperança.

Aparência: Elfos tendem a ser mais altos e esguios que os humanos, com traços delicados — a beleza das mulheres élficas é lendária,
tornando-as cobiçadas nos haréns dos minotauros. Sua pele é clara, com olhos e cabelos nas cores mais variadas — incluindo tons exóticos como branco, azul, verde, rosa e lilás. Uns poucos têm patas no lugar de pés, ou cauda de gato, ou outros traços animais O vestuário élfico é baseado em temas naturais, com adornos em forma de flores e folhagens, ou símbolos arcanos grafados com grande habilidade artística. Mas pouco artesanato élfico sobreviveu à queda de sua nação, tornando peças originais muito raras; os elfos de hoje vestem trajes humanos que lembrem, mesmo que de forma rudimentar, suas vestimentas originais.

Relações: A queda da deusa Glórienn, e sua entrega como escrava a Tauron, criou uma relação complicada entre minotauros e elfos. Por decreto do Império de Tauron, todo elfo deve reconhecer todo minotauro como seu superior, e todo minotauro deve proteger todo elfo. Cada elfo tem sua própria opinião a respeito — alguns aceitam a submissão e são gratos pelo amparo, enquanto outros se revoltam, reagem com verdadeiro ódio aos minotauros.
Elfos vivem relativamente bem entre humanos: nos dias de hoje, nascem mais meio-elfos que elfos puros (embora, em geral, apenas os próprios elfos consigam perceber a diferença). A rigidez dos anões conflita com a liberdade de espírito dos elfos, embora possam eventualmente ser bons amigos. Quando um elfo tem necessidade de sentir-se superior, vai viver com os halflings (mas não por muito tempo).
O elfo típico não consegue disfarçar a antipatia (ou até ódio) aos goblins e lefou — afinal, estas raças se originam dos responsáveis por suas desgraças. Além disso, um pouco da antiga arrogância ainda persiste em seus encontros com outras raças.

Tendência: Elfos são seres de espírito livre, seguindo os próprios desejos e caprichos — uma liberdade que, hoje, muito poucos entre eles conseguem exercer. Apesar do sofrimento a que foram submetidos, poucos alimentam rancor genuíno. Pelo contrário, tentam sentir-se melhor com atos de bondade e caridade. A tendência mais comum para elfos é Caótico e Bondoso.

Terras dos Elfos: Quase dizimados, os elfos são uma visão rara em qualquer parte do Reinado — eles simplesmente não existem em número suficiente para povoar cidades próprias. Além disso, a mera ideia de voltar a construir uma grande comunidade enche de pavor o coração élfico; séculos devem passar até que sintam-se seguros outra vez.
Muitos elfos reverteram à barbárie e refugiaram-se em meio à natureza, sozinhos ou em pequenos grupos errantes. Quase todos os outros procuram seu lugar nas cidades humanas ou táuricas. As maiores “comunidades” élficas hoje são a Vila Élfica, em Valkaria; e o Gueto Élfico, em Tiberus. Suas qualidades são sempre reconhecidas, tornando-os profissionais cobiçados (ou escravos caros).

Religião: Com a recente queda de sua divindade padroeira do Panteão, até o conforto espiritual foi negado aos elfos. Magoados
e ressentidos com Glórienn, muitos a abandonaram — como ela fez com eles — ou perderam por completo sua fé, tornando-se ateus. Entretanto, a maioria decidiu venerar algum outro deus do Panteão: Allihanna, Khalmyr, Lena e Marah despontam entre os preferidos, mas uns poucos começaram a venerar Tauron, talvez o prenúncio de uma mudança de atitude.
Recentemente despontou um culto élfico a Keenn, o Deus da Guerra (veja mais adiante).

Idioma A língua dos elfos é fluida, musical, como o vento nas folhas e o canto dos pássaros — de fato, na floresta, elfos podem se comunicar livremente sem que outras raças sequer percebam, acreditando estar ouvindo apenas os sons da natureza.
Escrita, é cheia de curvas e voltas, praticamente sem linhas retas. Sem muita surpresa, o idioma élfico é bastante utilizado no estudo da magia arcana.

Aventuras: Para uma raça sem lar, a vida como aventureiro soa natural. Elfos são famosos pela maestria com espada e arco, e talento natural para a magia arcana: chega a ser estranho conhecer um elfo que não seja arqueiro, espadachim ou mago.
Alguns buscam uma forma de libertar Lenórienn. Outros, esquecê-la por completo. Existem ainda aqueles que protegem Arton, tentam impedir que tenha o mesmo destino de sua terra natal. Para quem traz tanto ressentimento no coração, aventurar--se é quase sempre uma tentativa de fugir de si mesmo.
Os anos passaram. Surgiu um herói élfico, de nome Mitelus Morion. Reunindo heróis — elfos e outros à altura da tarefa —, ele procurou Malfyndoriel. Juntos, planejam a vingança.
Recentemente, Morion e seus aliados invadiram a costa oeste de Lamnor, estabelecendo uma base secreta nas fronteiras da Floresta Myrvallar. Dali, planejam lançar ataques de guerrilha contra a Aliança Negra. Trata-se de pouco mais que um posto avançado, mas suficiente para começar a mapear a região e descobrir mais sobre Th wor Ironfist e suas forças.
Dada a longevidade élfica, sabe-se lá quando Morion fará um ataque decisivo. O importante é a existência de um lugar capaz de sediar expedições para explorar o continente sul e seus perigos.

Traços Raciais: • +4 Destreza, +2 Inteligência, –2 Constituição. A agilidade e intelecto dos elfos são lendários, embora eles sejam menos vigorosos que os humanos.
• Elfos sabem usar espadas curtas, espadas longas, floretes e arcos (curtos, longos e compostos). Elfos também recebem Foco em Arma para uma destas armas (à escolha do jogador) como um talento adicional.
• +4 em testes de Identificar Magia e Percepção. Elfos têm familiaridade com magia e sentidos apurados.

Ver perfil do usuário

Mensagem [Página 1 de 1]